Salvia divinorum: a erva dos xamãs

Por: Rose Aielo Blanco

Ela é parente da Salvia officinalis - famosa por suas propriedades medicinais e por seu largo uso na culinária - e da Salvia splendens - ornamental que em 2004 ganhou destaque na mídia por ter sido usada para criar o canteiro com o formato da estrela do PT nos jardins do Alvorada, em Brasília, a pedido da primeira-dama Marisa Letícia, esposa do presidente Lula. Menos conhecida popularmente, a Salvia divinorum começa a ganhar fama também, mas por motivos bem diversos que os das suas "primas".

Em agosto de 2004, a revista Carta Capital publicou a matéria "O Barato agora é Natural", assinada por Walter Fanganiello Maierovitch, que tratava do avanço do uso de drogas consideradas "naturais". Era pleno verão na Europa e, segundo a matéria, ervas, fungos, cactos e outros vegetais estavam compondo a salada alucinógena dos jovens europeus que invadiam as smart shops (oficialmente, lojas de alimentos naturais) onde funcionam os smart bares (locais nos quais alguns dos produtos à venda são elaborados com sofisticação e oferecidos em atraentes cardápios). Ali o grande sucesso era a Salvia divinorum, uma espécie do gênero Salvia, pertencente à família das Labiadas. A explicação para esse sucesso é que a espécie é considerada alucinógena, seu agente psicoativo - Salvinorin A - induz a estados alterados de consciência, mas também pode causar psicose aguda ou depressiva, algumas vezes até irreversíveis.

O uso tradicional se dá por inalação, mas segundo consta, os índios mexicanos preparavam a Salvia divinorum mascando pares de folhas ou fazendo uma infusão em água agitando bastante para produzir uma espuma - dizem que a força do preparado depende da consistência da espuma.

Muitos antropólogs asseguram que os índios Mazatecas, da região de Oaxaca, utilizavam esta erva para curas e fins religiosos muito antes da chegada dos espanhóis. Os xamãs denominavam a Salvia divinorum de "folhas de Maria" e a utilizavam para "viajar ao céu e poder conversar com os deuses" e, assim, obter o diagnóstico e tratamento para as doenças do seu povo.

Nas últimas décadas, jovens de várias cidades mexicanas passaram a usar esta erva como substituta para a "marijuana" ou maconha. E agora também os jovens europeus estão usando a erva da mesma forma que usam a maconha, na forma de cigarros. Acredita-se que a principal substância psicoativa desta planta apresente efeitos similares ao da mescalina. Nas folhas, a concentração de Salvinorin A chegaria a 3 mg/g, sendo suficiente para, num cigarro, causar grande efeito psicotrópico.

Registros recentes demonstram que a planta também tem sido utilizada como incenso. Aliás, talvez como uma maneira de burlar a legislação de alguns países que proíbem esta erva, muitos sites na Internet comercializam a planta para uso como incenso.

Sálvia dos Divinos
Originária da região de Sierra Madre, em Oaxaca, no México, a erva também ficou conhecida pelo nome de "folhas de Oaxacan". O nome botânico Salvia Divinorum, que significa "Sálvia dos Divinos", seria inspirado no fato da erva ter sido usada muitos anos em cerimônias religiosas e de cura pelos xamãs Mazatecas. Vários registros descrevem que nesses rituais era louvada a figura de uma entidade feminina ou "deusa sábia". Daí surgiram outros nomes pelas quais a Salvia Divinorum é conhecida: Ska Maria Pastora, Yerba de Maria, The Shepardess, entre outros. Alguns antropólogos que se dedicam ao estudo desta erva defendem que há fortes indícios de que a ervaPipiltzintzintli (que os Astecas utilizavam em seus rituais, há milhares de anos) era a Salvia Divinorum.

A primeira descrição desta planta na literatura ocidental foi feita pelo antropólogo europeu Jean Basset Johnson, em 1939. Ele estava pesquisando o uso de cogumelos do gênero Psilocybe entre os Mazatecas e também notou que eles utilizavam a Salvia Divinorum em cerimônias de cura. Em seu artigo ele escreveu: " Os shamans (ou xamãs), bem como outras pessoas, usam plantas narcóticas também com a finalidade de encontrar objetos perdidos. Em alguns casos, usam teonanacatl (cogumelo), enquanto em outros usam uma semente chamada "semilla de la Virgen".A "Yerba de Maria" também é usada. Os Zapotecas usam a planta chamada "bador", a pequena criança, e os Astecas usam plantas narcóticas de forma similar (Johnson, 1939)".

A planta como ela é
Salvia Divinorum é uma planta perene, com cerca de 1 metro de altura ou mais, de clima subtropical úmido, abundante no México e em outras regiões da América Central. As folhas são ovais, serrilhadas, aveludadas, de coloração verde intenso (embora em certas condições podem apresentar um tom amarelado). Quando frescas quase não possuem cheiro.

As suas flores são branco-azuladas, dando a impressão de um lilás claro. A planta florida resulta num visual muito bonito, sendo de grande valor ornamental.

A espécie, que se reproduz por estacas de galhos, é capaz de se adaptar bem em qualquer clima, desde que receba luz solar nos horários mais frescos do dia (pela manhã ou à tarde). Em ambiente interno ela deve ficar em locais bem iluminados ou que recebam sol indireto (filtrado por uma janela, por exemplo). Para se ter certeza da condição mais adequada para esta planta, basta lembrar que em seu habitat natural ela vive nas matas, onde a vegetação mais alta e densa a protege dos raios solares mais quentes.

Embora seja bem adaptável, a planta pode ressentir-se com temperaturas extremas (abaixo de 10 e acima de 30 graus C).

Salvia Divinorum gosta de solo arenoso, com boa drenagem, para evitar acúmulo de umidade. Esta é, aliás, uma de suas poucas exigências: regas regulares, evitando-se o encharcamento. Vale lembrar novamente seu habitat natural, onde o solo é arenoso e cheio de pedregulhos.

Quanto à adubação, a mais indicada é a orgânica, com húmus de minhoca e composto orgânico. Esta espécie apresenta uma certa sensibilidade aos fertilizantes químicos do tipo "NPK", por essa razão recomenda-se cautela ao aplicar este tipo de fertilizante.

E, para encerrar, mais um detalhe sobre o lado mágico desta planta: alguns relatos registram que os xamãs Mazatecas fazem rituais específicos para cortar folhas ou mudas da Salvia Divinorum, com a finalidade de tornar as folhas mais "fortes" para suas experiências espirituais.

voltar ao topo